No Olho do Furacão

Augusto de Campos with lasers

Posted in Sem categoria by franvogner on 03/08/2011

Gullar, Gullar.

Sua mania em se fazer protagonista da História com H maiúsculo  – você viu tudo antes, entendeu tudo antes de todo mundo – está se tornando um pequeno vexame público, porque dessa vez sua auto-importância e  auto-admiração auto-consciente foi fulminada pelo humor (que você não tem) do grande (em estatura literária, não em orelhas) Augusto de Campos.

Dessa vez o senhor que sempre disse a frase de pára-choque número 1  “não quero ter razão, quero ser feliz” (a número 2 deve ser alguma de Eduardo Galeano, que pelo menos me parece um boa praça), demanda “coerência histórica” por dizer que você sempre curtiu OSWALDDEANDRADE, enquanto Augusto de Campos, esse bufo paulistano, fazia cara de nojinho. Isso lá nos distantes anos 50.

Pois é Gullar é assim: bateu, levou.

ps.Abaixo, o artigo do Augusto de Campos para a FSP

No banquete antropofágico: "Pagu: Oswald, quem convidou o Ferreirinha pro banquete? Oswald: Putz! Ontem eu tomei um rabo de galo ali na Praça da República e fiquei amigo de todo mundo, ai convidei o Ferreirinha porque ele me lembrou minha saudosa tia Maria das Dores que nunca casou e insistia em ser chamada de "senhorita" até o leito de morte. Ela era um sarro. Pagu: Mas a mesa do banquete não tem mais lugar! Oswald: faz o seguinte, pega a cadeirinha do Rudá pro Ferreirinha sentar e o coloca na mesa das crianças. Pagu: Mas ali só se vai servir sobremesa... Oswald: ele que se empaturre!

Sobre a gula

Poeta responde à coluna em que Ferreira Gullar afirma tê-lo ouvido criticar Oswald de Andrade em 1954

AUGUSTO DE CAMPOS
ESPECIAL PARA A FOLHA

O poeta Ferreira Gullar continua guloso. E mais desmemoriado do que nunca.

É verdade que já se penitenciou. No artigo “Errar é comigo mesmo” (26/7/2009), confessou-se: “Na primeira crônica, aqui publicada no dia 2 de janeiro de 2005, afirmei, em alto e bom som, que esqueço tudo o que leio e tendo a inventar de minha cabeça o que os romances não contam e os ensaios não dizem.
Que crédito pode merecer um sujeito tão desligado que chega a mijar na lata de lixo pensando que é o vaso sanitário? Era inevitável acontecer o que tem acontecido: cartas e cartas de leitores apontando os erros que cometo, informações erradas, dados equivocados. São tantos que já nem consigo lembrar, e não os lembraria ainda que fossem poucos, porque lembrar não é o meu forte. (…) E tem sempre aquele leitor chatinho que aproveita para nos dar um puxão de orelha. A minha, aliás, já está ardendo”.
Lamento seus problemas neo-urológicos e auriculares. Mas ele esqueceu de dizer que sua cabeça só funciona para engrandecer-se. Lembra que, gênio precoce, foi campeão de bolinha-de-gude. E vive trocando as bolas, sempre em proveito próprio.
Gullar inventou uma conversa de bar de mais de 50 anos para tentar desmerecer o meu apreço a Oswald de Andrade, os muitos estudos que publiquei e, por tabela, os de Décio Pignatari e Haroldo de Campos contra nenhum trabalho seu, que sobre Oswald tem um poema de circunstância sacado do fundo da gaveta.
O encontro em Spaghettilândia jamais ocorreu. No Rio eu só como espaguete recomendado por amigos.
Conheci-o em 1955 em seu apartamento levado por Oliveira Bastos. Como disse Manuel Bandeira, fui puxá-lo pelos cabelos.
Neo-Nero, anunciara que não faria mais poemas. Mostrei-lhe os nossos e ele se saiu com um formigueiro trapalhônico… Quando a exposição de Arte Concreta (dezembro de 1956) foi para o Rio (em fevereiro de 1957), ele, que para aqui mandara cinco cartazetes formigulosos, encheu uma sala de formigas (13 cartazes de 1 x 2 m). Numa coletiva de 26 artistas em que a regra era que cada qual exporia até quatro trabalhos! Haja ética! Não adiantou.
O formicida do Tempo engoliu o guloso formigamento. Eu fora ao Rio convidá-lo generosamente para participar da mostra. Vi-o mais quatro ou cinco vezes de passagem. Uma, na casa de Mário Pedrosa: conversei o tempo todo com Mário Faustino, que era culto e civil, o oposto de Gullar, monoglota e ególatra.
Haroldo o viu uma vez, em 1957. Gullar só falava em Murilo Mendes e nos surrealistas. Na fase neostalinista, proclamou que quem estava certo era Mário de Andrade, não Oswald. Esqueceu disso também?
Conheci Oswald em 1949, visitei-o muitas vezes, e estive com Décio e Haroldo entre os poucos que o saudaram como “o mais jovem” no “Telefonema a Oswald” (Jornal de São Paulo, 15/1/1950). Décio nos representou no “banquete antropofágico” em homenagem ao poeta ” sexappealgenário” no Automóvel Clube (1950).
Em 1954, Décio propôs a peça “O Rei da Vela” no seu Teatro de Cartilha. Nos manifestos da poesia concreta, Oswald é destaque. E, no “Diário Popular” (12/12/1956), depusemos Haroldo e eu: “Contra a reação sufocante, lutou quase sozinha a obra de Oswald de Andrade, que sofre, de há muito, um injusto e caviloso processo de olvido sob a pecha de ‘clownismo’ futurista. Seus poemas (‘Poesias Reunidas O. Andrade’), seus romances-invenções ‘Serafim Ponte Grande’ e ‘Memórias Sentimentais de João Miramar’ (de tiragens há muito esgotadas, para não falar de seus trabalhos esparsos ou inéditos), que ainda hoje, por sua inexorável ousadia, continuam a apavorar os editores, são uma raridade no desolado panorama artístico brasileiro. A violenta compressão a que Oswald submete o poema, atingindo sínteses diretas, propõe um problema de funcionalidade orgânica que causa espécie em confronto com o vício retórico nacional”.
Ninguém precisou de Gullar e sua vã gloríola.
A sua grande contribuição: descobriu em Oswald duas qualidades, humor e frescor. Nenhuma tem Gullar. Guloso e ressentido, diz que a poesia concreta é tolice, mas quer ser seu precursor… O “Lance de Dados”, de Mallarmé? “Pensou” em traduzir… Só que foi Haroldo o tradutor.
Sousândrade é chato porque foi descoberto por nós, mas ele já sabia que existia.
O papo furado sobre Oswald é porque nós o resgatamos. Décio e Haroldo não são poetas -explode. Eu seria, mas fui corrompido pelos meus companheiros. Inglório furor competitivo. Frágil casquinha do trabalho alheio.
Por que não sai da casquinha e entra na Academia Brasileira de Letras onde o espera o confrade Sarney? Afinal, inventou a neomemória e o neoacademismo…